Investigador da Universidade de Aveiro galardoado com o prémio António Xavier

Data:

Luís Mafra foi agraciado este mês com o Prémio António Xavier 2009, pelo trabalho que está a desenvolver na área da ressonância magnética nuclear. Os resultados do trabalho do investigador português podem contribuir significativamente para um conhecimento mais aprofundado de proteínas envolvidas em doenças como a de Alzheimer e de Creuzfeldt-Jakob.

O projecto de Luís Mafra nasceu de um esforço conjunto entre a Universidade de Aveiro, através do Laboratório Associado CICECO, e o instituto ETH, de Zurique, Suíça e visa o desenvolvimento e o estabelecimento de métodos em Portugal para o estudo e determinação da estrutura 3D de proteínas por ressonância magnética nuclear (RMN) no estado sólido a elevados campos magnéticos.
Este projecto premiado contempla, mais concretamente, a análise da parte globular da proteína EB3 cuja função é controlar a dinâmica dos microtúbulos situados no citoesqueleto através da sua associação à mesma. Uma dinâmica muito importante no processo de divisão celular, por exemplo.
A aprendizagem resultante do estudo desta proteína por RMN vai permitir ao investigador perceber de que forma de devem estudar problemas mais complexos como o caso de proteínas «anormais» que formam fibrilhas de amilóide e que estão envolvidas em doenças como a de Alzheimer e Creuzfeldt-Jakob.
A doença de Alzheimer é uma doença do cérebro (morte das células cerebrais e consequente atrofia do cérebro), progressiva, irreversível e com causas e tratamento ainda desconhecidos. Começa por atingir a memória e, progressivamente, as outras funções mentais, acabando por determinar a completa ausência de autonomia dos doentes.
A doença de Creutzfeldt-Jacob (encefalopatia espongiforme subaguda) é uma infecção progressiva, inevitavelmente mortal, que produz espasmos musculares e uma perda progressiva da função mental.
Luís Mafra tem 31 anos, possui um doutoramento europeu pelas universidades de Aveiro e Caen-Basse (França), no âmbito do qual desenvolveu investigação no desenvolvimento e aplicação de métodos de ressonância magnética nuclear de alta resolução em estado sólido (RMN), sob a supervisão do Prof. João Rocha e do Prof. Christian Fernandez. O trabalho desenvolvido foi distinguido pela Associação Portuguesa de Doutorados em França com o prémio científico «Celestino da Costa / Jean Perrin», pela excelência da sua tese, assim como do trabalho científico desenvolvido no decorrer dos seus estudos doutorais.
No início de 2007 integrou, como investigador assistente na área de RMN sólida, a equipa do Laboratório Associado CICECO (Centro de Investigação em Materiais Cerâmicos e Compósitos), na Universidade de Aveiro, onde actualmente gere o equipamento de RMN sólida e implementou o serviço on-line de reserva do mesmo.
Instituído em 2006 pelo presidente de direcção do Grupo Bruker, Christian Brevard, este prémio pretende homenagear a memória do Professor António Xavier e expressar reconhecimento pelo seu empenho incansável em prol da Ciência e da Ressonância Magnética em Portugal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.