Brasil: José Sócrates inicia visita com investimentos bilaterais na agenda

Data:

O primeiro-ministro inicia hoje uma visita oficial de quatro dias ao Brasil e Venezuela, a pensar no reforço dos investimentos bilaterais.

José Sócrates tem agendado para hoje um encontro com empresários brasileiros e portugueses na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), uma das entidades empresariais mais poderosas do Brasil.

De acordo com a agência Lusa, as reuniões de trabalho visam estudar hipóteses de investimento em Portugal por parte de empresas brasileiras, um dos compromissos deixados pelo Presidente brasileiro, Lula da Silva, na última Cimeira Luso-Brasileira, no passado dia 19 em Lisboa.

Já no Rio de Janeiro, no segundo dia da visita, o primeiro-ministro terá um encontro de trabalho com empresários portugueses com interesse em investir no Brasil. Um grupo de responsáveis de duas dezenas de empresas – entre as quais a OGMA, a Cimpor, a Efacec ou a Esporão – seguirá para o Rio de Janeiro, extra-comitiva, para participar nessa reunião. A ideia é a de juntar os empresários portugueses a elementos brasileiros responsáveis pela organização dos Jogos Olímpicos e do Campeonato do Mundo de futebol – eventos a decorrer no Brasil a partir de 2014 – para analisar possibilidades de negócio em especial nas áreas da construção, energia e electricidade.

Antes, na manhã de sexta-feira, o primeiro ministro português participa na sessão de abertura do III Fórum da Aliança das Civilizações, no qual – a par de outros chefes de Governo – fará uma intervenção. Terá também uma reunião com o secretário-geral das Nações Unidas e diversos encontros bilaterais com outros chefes de governo ainda por anunciar.

Além de José Sócrates participam também nesta sessão de abertura do Fórum da Aliança das Civilizações – instituição presidida pelo ex-presidente português Jorge Sampaio -, chefes de governo como Lula da Silva, José Luiz Zapatero (Espanha), Recep Erdogan (Turquia).

 

Na Venezuela para assinar acordos

 

Em Caracas, onde chegará na madrugada de sábado, Sócrates terá um encontro com o Presidente venezuelano, Hugo Chávez, após o qual serão assinados acordos cujo teor será divulgado apenas no decorrer da viagem. O objectivo e alcance dos acordos tem vindo a ser ultimado com os homólogos venezuelanos pelo secretário de Estado do Comércio, Fernando Serrasqueiro, que se encontra em Caracas desde sábado.

O primeiro-ministro também manterá um encontro com representantes da comunidade portuguesa na Venezuela.

Em Caracas não há uma viagem organizada de empresários portugueses, mas “é natural que várias empresas procurem oportunidades de negócio” neste país também nas áreas da energia e electricidade, disse fonte do gabinete do primeiro-ministro.

A viagem de José Sócrates, reiterou, “surge na sequência da Cimeira Luso-Brasileira” e visa “o reforço das exportações” em ambos os sentidos e “aproveitar uma janela de oportunidade face ao desempenho económico do Brasil”, refere a Lusa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.