Luxemburgo: Exposição retrata emigração portuguesa nos anos 60

Data:

«Por uma vida melhor» revela uma realidade vivida pela maioria dos portugueses que emigraram para França e Luxemburgo nos anos 60 do século XX. Documentos, uma exposição fotográfica, documentários e uma conferência sobre a integração dos portugueses nas duas sociedades dão a conhecer, a partir de 27 de Novembro, no Luxemburgo, as condições encontradas por homens e mulheres que deixaram Portugal em busca de uma vida melhor.

Inaugurada a de 27 de Novembro e patente até 3 de Janeiro, a exposição reúne imagens e documentos do início da imigração portuguesa em França e no Luxemburgo que revelam as condições nas quais homens e mulheres viveram inicialmente, naqueles dois países.
As fotografias de Gérald Bloncourt, pintor, gravador e fotógrafo, que nasceu no Haiti em 1926 foram tiradas nos bairros de lata dos arredores de Paris. O olhar «militante» de Gérald Bloncourt – a sua atitude crítica em relação à ditadura no seu país natal, obrigou-o a exilar-se em França em 1946 – levou-o a interessar-se pelo destino dos portugueses que chegam a França a salto nos anos 60 à procura de trabalho.
As 50 fotografias desta exposição foram tiradas nos bairros de lata dos arredores de Paris e revelam as dificuldades e esperanças de uma comunidade portuguesa que ali chegou na esperança de encontrar melhores condições de vida.
Os documentos que também estará expostos, referem-se à presença portuguesa no Luxemburgo e ilustram aspectos da vida sua familiar, administrativa e comunitária.

A emigração «a salto»

Para além da exposição, a emigração portuguesa para os dois países, nos anos 60, é o tema de dois documentários de José Vieira. «A foto rasgada» conta, ao longo de 52 minutos, a ida a salto dos portugueses para França e situa este êxodo no contexto político e económico português da ditadura de Salazar. O filme é legendado em português e francês e será exibido durante toda a exposição
Já «Le drôle de Mai: crónica dos anos de lama», uma co-produção França-Portugal vai ser exibido a 16 de Dezembro, a partir das 20 horas. José Vieira faz uma crónica social e política de um bairro de lata, a partir do testemunho de imigrantes portugueses apanhados na tormenta dos acontecimentos de Maio de 68 em França.
A projecção será seguida de um debate com a participação de testemunhos de portugueses dessa época que se distinguiram pelas suas actividades sociais, políticas e associativas no Luxemburgo.
No dia 2 de Dezembro, a partir das 19h30, realiza-se uma conferência de imprensa sobre a participação dos portugueses nas sociedades francesa e luxemburguesa. «Les Portugais sont-ils invisibles?» (Os Portugueses são invisíveis?) é o tema de um debate, com tradução simultânea para o português, com a presença de Albano Cordeiro sociólogo e economista na Universidade de Paris VII o investigador do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica) e de Aline Schiltz que está a realizar, na Universidade do Luxemburgo, um doutoramento sobre as migrações entre Portugal e aquele país.
A exposição «Por uma vida melhor» está patente na Abadia de Neumünster (Centre Culturel de Re), todos os dias, entre as 11 e as 18 horas. A entrada é gratuita.
A.G.P.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.