Turismo: Recordar o Douro no tempo do vapor

Data:

Entre as estações da Régua e Tua, na linha mais bela e turística do país circula o Comboio Histórico. Embarcámos nesta viagem na velhinha locomotiva com um século, em que jovens maquinistas por prazer se entregam de corpo e alma à tarefa árdua de conduzir uma máquina que consome três toneladas de carvão neste percurso, todos os sábados e cujos percursos, muito procurados pelos saudosistas do “vapor” e por turistas, esgotam a lotação das cinco carruagens centenárias de Maio a Outubro…

Na estação da Régua, ouvem-se as senhoras dos “rebuçados da Régua” anunciando o seu produto, por entre magotes de turistas que pouco ligam ao pregão e muitos turistas nacionais que de máquina em punho registam as fotos e os vídeos deste velhinho comboio fumegante que se vai fazer aos carris rumo ao Tua.
Dentro em pouco, um resfolgar possante de vapores, ferro, água e madeiras, ir-se-á mover; exibindo-se como um dos testemunhos do esforço sobre humano que foi tornar o Douro paisagem natural e, aparentemente indomável, em Douro paisagem humana. Douro vinhedos e Douro ferroviário foram duas das maiores obras feitas pelo homem, no tempo em que não havia máquinas. O Comboio Histórico do Douro, gerido com fins turísticos pela CP, vai cumprir a primeira etapa desde a Régua, até ao Tua e volta. 
A velhinha locomotiva Henschel & Sohn, de 1925, inspira-nos a nostalgia de encontros e partidas em antigas estações nevoentas, como se vê nos filmes. A caldeira chia alimentada pelas brasas de toneladas de carvão em ebulição. A estação é invadida por um odor acre, uma mistura de vapor, de fricção, de óleo. Há um ranger das madeiras das carruagens, impecavelmente cuidadas. As janelas de guilhotina revelam-nos um interior quase lotado, com passageiros acomodados em assentos de espaldar. Carruagens de primeira, segunda e terceira classe, para o mesmo destino, mas com diferentes tipos de conforto. 
O Douro do século XXI ganha graças de século XIX, com ares de festa, é assim todos os sábados a partir das 15H00. Figurantes trajados à época recriam tradições populares. A Estação do Pinhão, no concelho de Alijó, coração do Douro Vinhateiro, é percorrido por um frenesim de expectativa.  Há animação com um grupo de músicos e cantares regionais, distribui-se bola, roda o vinho do Porto em cálices.
O Douro é, aqui, frente ao Pinhão, na confluência do rio com o mesmo nome da localidade, uma entidade. Vê-se as Quintas nas encostas, que transformam as uvas num vinho único no Mundo.  A estação de ricos painéis de azulejos retrata a vida do Douro. Na plataforma aberta na traseira da carruagem, os passeantes acotovelam-se para conseguir aquela foto.

Pinhão-Tua

O comboio faz o percurso num instante, nesta linha de via única, onde horas depois irá regressar ao ponto de partida e “descansar” uma semana, para no próximo sábado voltar a fumegar por este vale acima, vale abaixo. Na estação do Tua, a máquina é rodada 360 graus à força de braços numa plataforma, como em tempos idos, já que terá que fazer agulha para tomar as cinco carruagens em sentido inverso para regressar à Régua. Aqui no Tua vê-se a linha de via estreita início da linha do Tua que em tempos nos levaria a Bragança e que hoje se fica, por enquanto por Mirandela. Aposta-se pouco no turismo ferroviário e só se encerram linhas. É pena.  Soa o apito. Há um rápido retorno às carruagens.
O comboio parte em direcção à estação do Pinhão. Estamos no coração de uma paisagem reconhecida em 2001 pela UNESCO como Património da Humanidade, na categoria de paisagem cultural. O rio está perto, correndo num movimento quase imperceptível. O desnível do rio favoreceu os grandes empreendimentos do Douro, a construção de barragens como as do Picote, Bemposta, Pocinho, Valeira, Bagauste-Régua, Carrapatelo, Crestuma/Lever. Era uma época em que o Douro não era turismo.
A navegação rio acima faz-se actualmente de forma bem diferente e com fins essencialmente turísticos. Milhares de pessoas hoje por terra, pelos carris, por estrada  e sobretudo pelo rio fazem turismo no Douro, contribuindo para a economia nacional. Uma visita que se recomenda!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.