Luso-venezuelanos intimados a «pagar» para não serem sequestrados

Data:

Alegados membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), terão contactado telefonicamente alguns luso-venezuelanos, proprietários de fábricas, no final de Setembro. Exigiam grandes somas de dinheiro para não os sequestrarem e, segundo alguns dos visados, afirmaram conhecer os movimentos das suas famílias.

“Foram vários os telefonemas, alguns deles em tom exigente, pretendendo o pagamento de 600 mil bolívares fortes (190 mil euros) que seriam usados para comprar dois camiões para as FARC”, começou por explicar um dos contactados à Agência Lusa.
Solicitando o anonimato por temor de represálias, o luso-venezuelano explicou que foi advertido telefonicamente de que “sabiam onde vivia”, conheciam os movimentos da sua família e que, com a “contribuição”, ficava com a garantia de que ninguém da sua família seria sequestrado.
Os telefonemas abrangeram proprietários de cinco fábricas de velas, um de Caracas e quatro do Estado venezuelano de Arágua (100 quilómetros a Leste de Caracas), e, num dos casos, um dos empregados que atendeu o primeiro telefonema teve que receber cuidados médicos. Pelo menos um dos empresários apresentou queixa na Divisão Anti-Sequestro do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas.
Um dia depois da primeira «vaga» de telefonemas, os alegados membros das FARC voltaram a contactar os empresários luso-venezuelanos. “Voltaram a contactar-nos hoje (dia 25 de Setembro) e agora estão a ameaçar sequestrar também o administrador da empresa. Estamos muito preocupados”, explicou um dos empresários chantageados à Agência Lusa.
Alguns dos empresários escusaram-se a conversar com jornalistas, mesmo sob anonimato, por temerem represálias. “Desculpe mas não posso dar-lhe qualquer informação a esse respeito. Por favor não insista, lembre-se que tenho família, incluindo crianças, que cuidar e poderiam correr perigo”, disse à Lusa um dos contactados. Outro explicou que por força das circunstâncias contratou um guarda-costas para acompanhar a mulher e os filhos nas idas à escola e ao supermercado. Mesmo acompanhados, o empresário deu instruções para que “evitem sair e permaneçam em casa”. Segundo fontes comunitárias, pelos menos 120 luso-venezuelanos foram sequestrados na Venezuela desde Janeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.