Região Norte de Portugal entre as mais pobres da União Europeia – Estudo

Data:

A região Norte é a mais pobre de Portugal e está entre as 30 mais pobres das 254 regiões da União Europeia a 25 países, enquanto Trás-os-Montes é classificada como a Sub-Região mais pobre da União Europeia a 27 países.

Este é o resultado de um estudo elaborado pelo Centro de Estatística da Associação Nacional das PME e pela Universidade Fernando Pessoa, para a Comissão Europeia que destaca o aumento do número de pessoas pobres na região, nos últimos anos.

De acordo com o documento, divulgado pela Agência Lusa, enquanto em 2005/2006 havia cerca de 693 mil pobres na região, em 2009, existia cerca de um milhão “resultado do encerramento de muitas unidades fabris e falência de outras empresas que levaram ao despedimento de milhares de trabalhadores com a consequente redução dos seus rendimentos”.

 

Desperdício de fundos

 

Na sequência da divulgação do estudo, a direcção da Associação Nacional das PME questionou o «desperdício» dos fundos comunitários, depois de considerar que as conclusões do estudo são “surpreendentes”, tendo em conta o investimento comunitário que foi canalizado para a região, através do Quadro Comunitário de Apoio III.

“No ano 2000, as duas sub-regiões do Minho e Alto Douro e Trás-os-Montes foram identificadas como as mais pobres da UE-15. Por isso, a União Europeia injectou na região Norte cerca de sete mil milhões de euros entre 2000 e 2006 para que houvesse um crescimento de 4,5 por cento neste período, mas não só a região não cresceu como ainda por cima contém a sub-região mais pobre da UE-27”, sublinhou Fernando Augusto Morais, presidente da Associação Nacional das PME.

“O dinheiro investido não atingiu os objectivos”, resumiu, criticando o “desperdício”. O responsável da Associação considerou que é necessário responsabilizar as entidades responsáveis pela execução destes programas e o Estado e sublinhou que “os contribuintes europeus vão querer saber como foi aplicado este dinheiro”. Fernando Augusto Morais lamentou também o facto de os recursos estarem “concentrados nos mais ricos”.

 

Maiores fortunas estão no Porto

 

O estudo refere que, apesar da Região Norte ser a mais pobre do país, é na Área Metropolitana do Porto que se encontram as duas maiores fortunas nacionais (Américo Amorim e Belmiro de Azevedo), bem como empresas líderes sectoriais e mundiais como a RAR e a CIN, a maior associação de grandes empresas do País (AEP) e a maior associação de jovens empresários (ANJE).

O documento questiona ainda a abertura de cinco novos centros comerciais numa região onde existem já 25 destas grandes superfícies, o que “prejudicará o comércio tradicional, bem como o crescimento e o emprego”.

“São visíveis situações de pobreza extrema, privação e precariedade”, aponta o mesmo relatório, salientando que “a face mais visível desta ‘nova pobreza’ é o aumento dos pedidos de ajuda alimentar junto das instituições de solidariedade social, muitas vezes, na sombra do anonimato onde se identificam professores desempregados e muitos outros técnicos superiores”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.