Eleições Europeias: Emigrantes portugueses começam hoje a votar

Data:

Entre 5 e 7 de Junho, os portugueses residentes no estrangeiro vão poder votar para as eleições Europeias, em 165 mesas localizadas em consulados gerais, secções consulares, consulados honorários e escritórios consulares, desde que tenham cadernos eleitorais e instalações, segundo informação da COREPE à Agência Lusa.

 

Pouco mais de 200 mil emigrantes começam hoje a votar para o Parlamento Europeu, um escrutínio que decorre ao longo de três dias e em que participam pela primeira vez os portugueses residentes fora da Europa. Estão inscritos para votar na Europa 99.496 eleitores e Fora da Europa 107.509.

Na Europa, serão disponibilizadas 69 mesas, sendo a França o país com mais urnas de voto, 22. Em França, estão registados para votar 67.559 portugueses, a maioria em Paris. Nas Américas do Norte e do Sul serão abertas 58 mesas, com o Brasil a concentrar a maioria, 26. No Brasil podem votar 49.763 portugueses, a maioria registados em São Paulo. Em África, haverá 20 mesas e na Ásia e Oceania 18 urnas de voto. Em África estão inscritos no recenseamento eleitoral 11.823 portugueses, principalmente na África do Sul, e na Ásia e Oceania 14.887, a maioria em Macau.

A Comissão Organizadora do Recenseamento Eleitoral dos Portugueses no Estrangeiro (COREPE), dependente do Ministério dos Negócios Estrangeiros, começou há três semanas a enviar os cerca de 240 mil boletins de voto para o estrangeiro, correspondentes ao número total de eleitores, mais 20 por cento de boletins, como prevê a lei.

Em declarações à Agência Lusa, fonte da COREPE admitiu que não haverá desdobramento de mesas devido às dificuldades em reunir as condições necessárias à instalação de assembleias de voto fora das instalações consulares. A inexistência de desdobramento de mesas foi criticada pelo PSD, que contestou também a falta de informação sobre as eleições.

As eleições europeias foram precedidas pela paralisação dos trabalhadores dos consulados, que no dia 4 cumpriram um dia de greve em protesto pelo atraso nas actualizações salariais, na revisão do estatuto profissional e ainda o sistema de avaliação de desempenho dos funcionários.

Na Suíça, os trabalhadores consulares vinculados e contratados, vão manifestar-se nas mesas de eleições e de apoio entre os dias 5 e 7 de Junho, durante o acto eleitoral para as Europeias, com a colocação de uma faixa negra com os dizeres «estamos de luto e em luta pela nossa actualização salarial em falta e pelo nosso estatuto profissional».

Nestas eleições para o Parlamento Europeu votam pela primeira vez presencialmente todos os emigrantes portugueses. Anteriormente, apenas os emigrantes residentes na Europa podiam eleger deputados europeus, através de votação por correspondência.

O alargamento do voto para o Parlamento Europeu aos emigrantes portugueses Fora da Europa foi aprovado em finais de 2005 pelo PSD, PS, CDS-PP, tendo sido consagrado o voto presencial para esta eleição à semelhança do que já acontecia na eleição para o Presidente da República.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.