Crise afecta venda de bordados típicos açorianos

Data:

A mudança de hábitos e a crise económica dificultam o negócio dos típicos bordados açorianos, peças tradicionais feitas à mão, que deixaram de ser usadas no dia a dia para se tornarem num produto de luxo.

“As quebras nas vendas têm-se vindo a acentuar. Atravessamos dias que não são nada fáceis. Sobrevivemos com muita dificuldade, por causa da crise”, afirma à agência Lusa Venilde Amaral, sócia gerente de uma empresa, que há mais de 60 anos se dedica à comercialização e confecção de bordados, em Ponta Delgada.
Das 315 empresas inscritas no Centro Regional de Apoio ao Artesanato (CRAA), 38 dedicam-se ao comércio e produção do bordado açoriano. Venilde Amaral é sócia gerente de uma dessas empresas e constata que “longe vão os tempos áureos” da produção e comercialização do bordado a matiz (em dois tons de azul) da ilha de São Miguel. Cerca de 90 por cento da produção daquela fábrica destina-se aos Estados Unidos da América e a restante vai para a Austrália, indica. Depois de ter deixado de receber, desde há dois anos, encomendas de Itália, Venilde Amaral, aponta a mudança de hábitos, a crise e “as imitações” como os grandes “obstáculos” na comercialização daquele produto típico. A fábrica, que chegou a ter mais de 100 mulheres efectivas, conta actualmente com 12.
“As coisas foram decaindo. Vamos sobrevivendo. Hoje o bordado já não é essencial no dia a dia. As pessoas apreciam muito, mas com a crise acham que é um produto caro”, refere Venilde Amaral, lembrando, no entanto, que a confecção é um processo meticuloso e a matéria-prima “dispendiosa” (linhos e linhas). Da fábrica de Ponta Delgada saem várias peças de bordados típicos, desde toalhas, lençóis, bases de copos, panos para cestos de pão ou ainda individuais para pratos.
Também na Terceira, o proprietário de uma empresa que se dedica há mais de 60 anos ao comércio do bordado (a branco) típico da ilha confirma uma quebra nas vendas, um mal que afecta “todos em tempos de crise”. “Não é um produto de primeira necessidade e quando há crise fica para último”, contou Luís Costa, lembrando que há muitos anos chegou a exportar para a Europa e América. Agora, comercializa lençóis e toalhas essencialmente para clientes locais e do continente.
No Faial, Isaura Ferreira Rodrigues faz há oito anos os bordados a palha, característicos daquela ilha, uma actividade que iniciou depois de ter participado num curso promovido pelo Governo regional, para “relançar” aquela produção artesanal.
Confessa que não tem sentido tanto os efeitos da crise, já que confecciona por “encomenda” bordados para vestuário. “É um trabalho minucioso, um tipo de artesanato mais requintado”, sublinha Isaura Rodrigues que borda motivos doirados sob o preto, mas que tenta “inovar” nos últimos tempos, usando novas cores como o vermelho, azul ou ainda bege. Desde 1998 que existe um selo de certificação para os bordados típicos de São Miguel, Terceira e Faial, criado pelo Governo regional para assegurar a qualidade e promover “o requinte” de um produto “com grande valor histórico e cultural”.
“Não é apenas um rótulo, mas uma certificação que veio trazer uma discriminação positiva aquela actividade e aos bordados açorianos, um produto historicamente enraizado”, assegura a directora do CRAA, entidade que atribui o selo de certificação.
Alexandra Andrade admite “não ser a melhor época” para o bordado açoriano, “nem para nenhum produto que se destine a um mercado restrito”.
“Em meados do século passado a maioria das pessoas queriam ter uma toalha bordada para colocar na mesa. Hoje não é essencial no dia a dia”, diz a responsável, frisando que em épocas de crise “os primeiros produtos a excluir são os artigos de boa qualidade que não estejam massificados”.
Alexandra Andrade defende, por isso, que o artesanato de qualidade tem que continuar a adaptar-se à própria mudança cultural e procurar mostrar “um tipo de trabalho diferente”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.