Venezuela: Português deverá ser língua de opção no ensino oficial

Data:

O secretário de Estado das Comunidades afirmou na Venezuela que o ensino da língua portuguesa
deverá ser opção no ensino oficial naquele país a partir do próximo ano lectivo. António Braga referiu
à Lusa que “há uma iniciativa (nesse sentido) do Ministério de Educação, na Venezuela, e das
universidades, portanto um processo que corre os seus termos normalmente”.

“Tanto quanto nós temos informação, que nos é dada pelas autoridades venezuelanas, a partir do próximo ano lectivo estará em força com opção no sistema educativo”, disse à Agência Lusa o governante, durante uma deslocação de cinco dias à Venezuela que se iniciou a 22 deste mês.
Segundo António Braga “há uma iniciativa (nesse sentido) do Ministério de Educação, na Venezuela, e das universidades, portanto um processo que corre os seus termos normalmente”.
António Braga falava à agência Lusa no final de uma reunião com professores de português na Venezuela, no âmbito de uma viagem de cinco dias que realiza ao país.
A reunião foi uma oportunidade para informar os professores sobre as “reformas que temos vindo a fazer nesta área, no que diz respeito ao ensino do português no estrangeiro, designadamente a recente reforma aprovada em Conselho de Ministros do Instituto de Camões que a partir da publicação da lei passa a ter toda a responsabilidade do ensino do português no estrangeiro, no seio das comunidades portuguesas e não só”, acrescentou.
“Há uma nova ambição em fazer projectar, aqui na Venezuela, uma rede de ensino que responda à procura da comunidade portuguesa e também à necessidade de formação de professores porque o português será a partir do próximo ano uma língua de opção no sistema educativo”, sublinhou.

Necessidades dos professores

A reunião permitiu ainda fazer “essa actualização relativamente a estes projectos e também ouvir as necessidades e carências dos professores que trabalhando com tantas dificuldades, mas sobretudo com uma enorme determinação, têm vindo a defender a língua portuguesa junto da comunidade aqui a residir”, disse.
Precisou que “uma das matérias que mais preocupa os professores é a questão dos manuais escolares, pela dificuldade em adquiri-los, pela dificuldade em poder proporcionar uma aprendizagem com repercussão directa” nesses instrumentos.
“Estivemos a estudar estratégias no sentido de poder permitir que no próximo ano lectivo os alunos possam aceder aos livros, aos manuais recomendados por cada professor para as diferentes disciplinas. É essa estratégia que será desenvolvida durante estes próximos dois meses para que em Setembro se possa ter condições de poder beneficiar da presença física dos manuais escolares”, adiantou António Braga.
Sobre os manuais, o secretário de Estado disse que este é um assunto que irá ser tratado por uma “delegação do Instituto Camões, a embaixada e os consulados”, que ficam responsáveis por “encontrar uma solução tendo em vista também as dificuldades do câmbio (obtenção de moeda estrangeira para importações)”. Sublinhou ainda que desde o momento a projecção de uma rede de ensino na América Latina será possível “responder às iniciativas que as diferentes organizações do movimento associativo lançaram, como são os colégios e as diferentes escolas e dar-lhes não só certificação mas condições de qualificação para poderem desenvolver o ensino da língua”.
Questionado sobre a importância de Brasília na América Latina e no ensino do português, António Braga salientou que “o Brasil tem igualmente a mesma responsabilidade que Portugal em defender a Língua portuguesa”. “Evidentemente que aqui na Venezuela, Portugal sente essa responsabilidade muito forte, uma vez que temos aqui uma comunidade portuguesa extraordinariamente numerosa e qualificada”, concluiu.
Em diversas oportunidades o Presidente da República Bolivariana da Venezuela, Hugo Chávez, manifestou interesse em que a língua portuguesa fosse incluída no sistema oficial venezuelano, tendo chegado o idioma português a aparecer como uma opção para o corrente ano lectivo no “curriculum bolivariano” que não foi aplicado na prática.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.