Crise: Pedidos de ajuda às paróquias crescem 30 por cento

Data:

Os pedidos de ajuda nas paróquias aumentaram 30 por cento desde Novembro, tendo a Cáritas criado novas formas de ajudar estas famílias para manter a sua dignidade: dá dinheiro para o supermercado e subsídios para as rendas e os estudos.

As zonas mais afectadas continuam a ser o Grande Porto, o Vale do Tâmega e Vale do Ave, com “preocupantes” números de desempregados. Mas também começam a surgir casos inquietantes em alguns concelhos de Lisboa e da Península de Setúbal.

Com o agravamento da crise no final do ano passado e o aumento do desemprego, às mais de quatro mil paróquias de todo o país passaram a chegar regularmente novos casos de famílias endividadas.

“Temos zonas do país cujas dioceses identificaram um acréscimo entre os 30 e os 40 por cento e outras que se situam nos 10 por cento. Em todas tem havido aumento, que em termos médios nacionais se situa nos 30 por cento”, conclui Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa, que falava à Lusa a propósito do Simpósio “Reinventar a Solidariedade”, organizado pela Conferência Episcopal, e que se realiza amanhã, integrado nas comemorações dos 50 anos do monumento a Cristo-Rei.

“Estas são pessoas que se encontram em situação de carência mas que se poderão libertar dela se a acção for adequada”, defende o responsável.

Crise leva ao abandono escolar

Para além das dificuldades em pagar a alimentação, a saúde e a habitação, a permanência das crianças na escola tem sido uma das grandes lutas das famílias portuguesas. “Uma preocupação que está a ser muito notória é a das famílias que não conseguem assegurar a permanência dos seus filhos na universidade”, concretiza o presidente da instituição.

Para combater o abandono escolar, a Cáritas tem atribuído subsídios para “pagar propinas ou alugueres dos quartos” dos estudantes universitários assim como as mensalidades dos infantários.

O pagamento das rendas de casa e dos empréstimos aos bancos são outras das ajudas prestadas pela instituição, que beneficia da proximidade das paróquias com a população para identificar quem tem reais necessidades.

Além de continuar a servir refeições para as famílias levarem para casa, a instituição passou também a “entregar dinheiro às pessoas para que possam ir ao supermercado como qualquer outro cidadão”. Uma medida para garantir que ninguém é “estigmatizado”.

Mas Eugénio Fonseca lança um alerta: “É preciso ter cuidado com as medidas a aplicar, senão facilmente se corre o riscos de criar dependências e o que importa é criar condições para que as pessoas se libertem da situação em que se encontram”.

Para a Cáritas, a “estratégia adequada” passa por dar apoio financeiro mas também por incentivar a encontrar trabalho para os desempregados e, “sempre que haja condições, entusiasmar as pessoas a criar o seu próprio posto de trabalho”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.