Gripe A H1N1: “Não existem ondas epidémicas em Portugal”””

Data:

O director-geral da Saúde, Francisco George, assegurou hoje que não existem ondas epidémicas da gripe AH1N1 em Portugal, explicando que os especialistas têm prevenido a formação de cadeias de transmissão do vírus.

“Estamos muito atentos e preocupados mas, neste momento, não existem motivos para alarme porque não há nenhuma cadeia de transmissão activa do vírus em Portugal”, afirmou à agência Lusa Francisco George, que participou esta noite numa sessão de esclarecimento sobre o vírus AH1N1 organizada pela Ordem dos Farmacêuticos.

O director geral de Saúde explicou que, “a partir do momento em que foram detectados os primeiros casos da gripe nos Estados Unidos a 24 de Abril, foi elaborado um plano de contingência em quatro hospitais nacionais para identificar e eliminar possíveis cadeias de transmissão do vírus”.

“Apenas posso dizer que temos estado atentos e que, neste momento, não há problemas em Portugal”, reiterou.

Segundo o mais recente balanço da OMS, a gripe A H1N1 já infectou 5.728 pessoas em 33 países, causando a morte de 61.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.