Caso Rui Pedro: Nova linha de investigação está a ser explorada

Data:

O advogado dos pais de Rui Pedro, a criança da Lousada desaparecida em 1998, disse hoje que está a ser explorada uma nova linha de investigação deste processo que não tinha sido considerada no início.

Em declarações à Agência Lusa, Ricardo Sá Fernandes disse que não pode falar sobre o processo por se encontrar em segredo de Justiça, mas adiantou que desde há dois anos que existe uma nova linha de investigação.

«Não é uma coisa de hoje. Existem já dois anos de diligências a vários níveis que permitem ter alguma esperança que se possa vir a descobrir o que aconteceu. Rui Pedro desapareceu, quem esteve ligado a esse desaparecimento e porque?», referiu.

Na quarta-feira a TVI avançou que o suspeito pelo desaparecimento de Rui Pedro foi constituído arguido passados dez anos sobre os acontecimentos.

Segundo a estação de televisão, a Polícia Judiciária (PJ) concluiu que Afonso, o suspeito, pode ter raptado Rui Pedro para o colocar numa rede de pedofilia, mas também não está posta de parte a hipótese de acidente e ocultação de cadáver.

Ricardo Sá Fernandes não confirmou nem desmentiu esta informação, dizendo apenas que não pode falar sobre o processo.

«A única coisa que posso dizer é que o inquérito continua a decorrer e há dois anos que tem sido explorada uma linha de investigação que não tinha sido considerada no início», referiu.

Segundo o advogado, tanto o pai como a mãe de Rui Pedro estão a acompanhar o processo, tendo já sido chamados várias vezes ao Ministério Público.

«As diligências estão em curso com consistência. Ainda é cedo para falar sobre isso», disse.

A participação dos pais no processo, adiantou, revela uma mudança completa na abordagem do caso.

«Se no início houve um grande desleixo e afastamento da família em termos de acesso ao processo, agora já não é assim», disse.

«Achamos que está a ser feito o que pode ser feito e temos expectativas fortes», frisou.

Esta mudança de comportamento das autoridades para com os pais, na opinião de Ricardo Sá Fernandes, tem a ver com a existência de uma nova consciência da sociedade em geral para com o problema do desaparecimento de crianças.

Para a mãe de Rui Pedro, Filomena Teixeira, a investigação judicial ao caso «só peca por tardia», conforme disse hoje à Lusa.

«Preciso de saber se o meu filho foi morto ou se foi levado para a pedofilia», afirmou à Lusa Filomena Teixeira, frisando que teve informações do advogado de que a PJ está a retomar a investigação.

Filomena Teixeira disse que «a vida se tornou num calvário», desde que o filho desapareceu. «Ando em tratamento médico e já estive internada», afirmou.

Sobre o caso em concreto, disse que «se alguém que pode saber o que se passou naquela tarde de 04 de Março de 1998 deve ser o Afonso». «Ele esteve com o meu filho, antes dele desaparecer», salientou.

«Peço às autoridades que não esqueçam o meu caso, porque é impossível viver assim», sublinhou, dizendo que se não fosse a solidariedade de «muitos amigos e gente boa» já teria enlouquecido por não saber o paradeiro do filho.

Rui Pedro – uma das nove crianças desaparecidas em Portugal nos últimos anos – foi visto pela última vez a 04 de Março de 1998 quando tinha onze anos, supostamente enquanto andava de bicicleta num terreno baldio atrás do escritório onde a mãe trabalhava, em Lousada, distrito do Porto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.