Reino Unido em estado de alerta para risco de inundações

Data:

A rede de serviços meteorológicos europeus (EUMETNET) alertou hoje para ventos fortes e abundantes quedas de neve na Europa Central esta sexta-feira, enquanto a costa oriental de Inglaterra enfrenta graves inundações, em contraste com a amenidade climática prevista para Portugal.

Fonte do Instituto Meteorológico garantiu hoje à Agência Lusa que a previsão de tempo para Portugal para os próximos quatro dias «não tem nada a ver» com o alerta de EUMETNET, mantendo-se o bom tempo.

O mau tempo resulta de um sistema de baixas pressões que se desloca da Escandinávia para a Europa Central, anunciou a EUMETNET, uma rede de 23 serviços meteorológicos nacionais, incluindo o de Portugal, com sede nas Nações Unidas, em Genebra.

A Alemanha e a Dinamarca alertaram a população para rajadas de ventos que podem atingir os 125 quilómetros/hora durante todo o dia de sexta-feira, segundo um comunicado da EUMETNET.

Uma corrente húmida vinda do norte na Europa Central também pode causar ventos fortes, «mas o que pode ser ainda mais prejudicial é a quantidade de neve fresca que é esperada para a orla Norte dos Alpes», lê-se no comunicado.

Acrescenta que as quedas de neve podem atingir os 100 centímetros de altura «causando enormes avalanchas logo no início do período de Inverno».

As autoridades portuárias holandesas anunciaram que vão encerrar o maior porto da Europa, Roterdão, porque as tempestades previstas podem provocar ondas de quatro metros e rajadas de vento que podem atingir os 100 quilómetros/hora.

O Governo britânico convocou uma reunião de emergência para discutir medidas para enfrentar uma vaga de três metros que progride desde o Mar do Norte e que coincide com as marés cheias, havendo o receio de provocar graves inundações ao longo da costa oriental de Inglaterra.

Stewart Worthley, dos serviços meteorológicos, acrescentou que esta altura de onda não era vista «há 20 anos».

«A onda é esperada sexta-feira de manhã mas a tempestade deverá acalmar» durante o dia de sexta-feira, disse.

«O risco de graves inundações existe nas regiões do litoral oriental nas próximas 48 horas», disse o ministro do Ambiente britânico, Hilary Benn.

A polícia está em estado de alerta nas regiões mais em risco, nomeadamente Norfolk e Suffolk, a fim de coordenar as urgências, designadamente eventuais evacuações.

A barragem que regula o nível do Tamisa, no leste de Londres, foi também colocada em alerta.

«Ventos de noroeste superiores aos 75 quilómetros/hora, uma depressão atmosférica e fortes marés poderão provocar graves inundações no leste de Inglaterra», precisaram, por seu lado os serviços meteorológicos britânicos.

Os ventos mais fortes atingiram o norte de Escócia. Na ilha de North Rona, foram superiores a 160 quilómetros/hora hoje de manhã, antes de se deslocarem para sudeste.

A actividade petrolífera continua contudo a funcionar normalmente, segundo um porta-voz da BP, mas os serviços meteorológicos anunciaram fortes rajadas de vento nas ilhas Orkeny e Shetland para hoje à noite.

Diário Digital / Lusa

09-11-2007 7:13:00

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.