25 de Abril vivido em Vila Nova de Famalicão

Data:

Recordar as greves dos trabalhadores na Mabor e na Têxtil Manuel Gonçalves, o conturbado processo de mudança no poder autárquico e todo um conjunto de acontecimentos decorrentes da revolução de 25 de Abril de 1974, como as primeiras eleições livres para a Assembleia da República, é o que propõe a exposição «Somos Filhos da Madrugada», baseada em mais de uma centena de documentos, que está patente até 31 de Maio.

Dez painéis compostos por diversos documentos, fotografias e recortes de imprensa que retratam os principais momentos vividos antes, durante e depois da Revolução de 25 de Abril de 1974, no município de Vila Nova de Famalicão, estão expostos, no átrio do edifício dos Paços do Concelho, numa organização do pelouro da Cultura da Câmara Municipal, que reuniu toda a documentação. A mostra pode ser visitada de segunda a quinta-feira das 9 às 18 horas e à sexta-feira entre as 9 e as 12 horas. A entrada é livre. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.