Portugal – Bélgica

Data:

Noite de “olés” em Alvalade!

Depois de 45 minutos de aquecimento, Portugal embalou para uma goleada histórica frente à Bélgica que nada pode fazer para parar Cristiano Ronaldo, Quaresma e companhia. Depois de uma semana de polémica, que culminou com agressões aos jornalistas no aeroporto de Lisboa por parte da comitiva belga, os jogadores portugueses não facilitaram e aliaram a uma excelente exibição, quatro golos fantásticos. Ricardo Quaresma acabou por marcar o mais bonito da noite quando na entrada da grande área belga arrancou uma trivela que deixou o guarda-redes belga sem reacção.

Uma segunda parte de luxo permitiu à selecção portuguesa derrotar a Bélgica pela primeira vez em jogos oficiais, com direito a uma goleada por 4-0 no confronto do grupo A da fase de qualificação para o Euro 2008. O talento escondido durante a primeira parte irrompeu no relvado do Estádio José Alvalade nos segundos 45 minutos, tempo ainda assim suficiente para Nuno Gomes (53) Ronaldo (55 e 75) e Quaresma (68) construírem a maior goleada lusa na fase de apuramento.

Portugal juntou-se à Sérvia na terceira posição da “poule”, a um ponto da Finlândia e a três da líder Polónia (que tem mais um encontro disputado), arrumando quase em definitivo com as expectativas belgas de marcarem presença na fase final da competição.

Cristiano Ronaldo, Ricardo Quaresma e João Moutinho formaram um trio de luxo na vitória de Portugal perante um Estádio de Alvalade a abarrotar e incansável no apoio aos jogadores portugueses.  Nuno Gomes, apesar de ter sido presa fácil durante grande parte do jogo, teve o mérito de indicar o caminho da vitória, mas a fragilidade do adversário ajuda a explicar o resultado desnivelado e o primeiro sucesso luso ante a Bélgica em encontros oficiais, após três empates caseiros e três derrotas em solo belga.

   

Moutinho foi a grande novidade

   

O “onze” apresentado por Luiz Felipe Scolari não causou surpresa, com o seleccionador de a optar pelo jovem João Moutinho, de 20 anos, para desempenhar as importantes funções do lesionado Deco. Scolari também não surpreendeu na escolha do ponta-de-lança, preferindo o experiente Nuno Gomes a Hugo Almeida, o único avançado luso cuja estatura rivaliza com a dos jogadores belgas, municiado por Cristiano Ronaldo e Quaresma, que substituiu Simão Sabrosa (suspenso).

O guarda-redes Ricardo comandou um quarteto defensivo simplesmente fantástico composto por Miguel (direita), Ricardo Carvalho e Jorge Andrade (centro) e Paulo Ferreira (esquerda), enquanto Petit mandou no meio campo, muito apoiado por Mourinho e Tiago que iam tentando abrir espaços para no  ataque os irrequietos e talentosos Cristiano Ronaldo e Quaresma e para o incansável Nuno Gomes.

O intervalo chegaria sem que Portugal conseguisse o golo mas tudo mudou a partir dos 53 minutos quando Nuno Gomes concluiu com êxito o passe precioso de João Moutinho, que voltou a revelar excelente entendimento com Cristiano Ronaldo. Nuno Gomes marcou assim o 27º tento internacional, superando Rui Costa e confirmando-se como o melhor marcador português no activo.

Cristiano Ronaldo sentenciou a partida dois minutos mais tarde, aos 55, ao empurrar sobre a linha um cruzamento “teleguiado” de Quaresma, que sobrevoou o desamparado Stijnen. Essa imagem de impotência ficou reforçada aos 68 minutos, quando Quaresma inventou um “chapéu”de fora da área, aumentando para 3-0, em mais um remate de “trivela” que ficará na história. O pesadelo do guarda-redes Stijnen teve epílogo infeliz aos 75 minutos, altura em que o guarda-redes deixou escapar de forma comprometedora o remate de longe de Ronaldo, que concretizou o 17º remate certeiro pela selecção, ultrapassando os históricos Peyroteo e Jordão.

Até ao apito final do árbitro grego Kyros Vassaras, Scolari ainda fez jogar Fernando Meira, Nani e Hugo Viana, para o lugar de Petit, Quaresma e Cristiano Ronaldo que saíram do campo sob o estrondoso aplauso de 47.000 delicados espectadores.

Imparável em casa

18 jogos seguidos sem perder em casa

Portugal somou face à Bélgica, o 18º encontro consecutivo sem perder em jogos de apuramento para Europeus e Mundiais, numa invencibilidade que caminha para uma década. Após o desaire sofrido com a Roménia a 10 de Outubro de 1998 (0-1, nas Antas), na corrida ao Europeu de 2000, Portugal não mais perdeu qualquer jogo de apuramento em casa, numa série iniciada a 26 de Março de 1999, com uma goleada ao Azerbaijão (7-0, em Guimarães). Ainda na fase de apuramento para a prova que se realizou na Holanda e na Bélgica, Portugal, liderado por Humberto Coelho, somou mais três triunfos, com 12 golos marcados e nem um único sofrido, com destaque para a goleada ao Liechtenstein (8-0, em Coimbra). Na campanha para o Mundial de 2002, sob o comando de António Oliveira, Portugal esteve melhor em reduto alheio, mas em casa também não perdeu: venceu tranquilamente Andorra, Chipre e Estónia e empatou com República da Irlanda (1-1) e Holanda (2-2). Já com Luiz Felipe Scolari, Portugal venceu todos os encontros caseiros realizados, entre os quais os seis na fase de apuramento para o Mundial da Alemanha 2006, com destaque para a goleada imposta à Rússia (7-1, em Alvalade). Por seu lado, a campanha rumo ao Euro 2008 começou com três triunfos (3-0 ao Azerbaijão, 3-0 ao Cazaquistão e 4-0 à Bélgica).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.